Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chave Mestra

Chave Mestra

Amigo de longa data de Donald Trump sofre segunda tentativa de assassinato em 3 meses - comunicação social ignora

Amigo pessoal de longa data de Donald Trump sofre

 

A comunicação social continua a recusar noticiar que Roger Stone, um amigo pessoal e conselheiro de longa data de Donald Trump que foi o seu primeiro director de campanha, sofreu há dois dias a sua segunda tentativa de assassinato quando um veículo de vidros fumados e matrícula não visível atingiu o veiculo em que viajava e exactamente onde estava sentado, com o agressor a pôr-se em fuga imediatamente após o "acidente".

 

Em Dezembro Roger Stone já tinha sido envenenado com polónio, um elemento altamente radioactivo utilizado por governos para assassinatos, ao qual sobreviveu por não ter ingerido quantidades suficientes para uma morte imediata.

 

Roger Stone é um dos membros da campanha de Trump acusado de ter relações com o governo russo, algo que sempre negou e do qual não existem provas até hoje, e o seu testemunho já agendado perante o Congresso é crucial para a investigação. Segundo as suas declarações à Infowars, Roger Stone acredita que alguém está a tentar impedir que consiga testemunhar perante o Congresso.

 

Oleg Erovinkin, o ex-general do KGB que a imprensa britânica acredita ter sido a fonte que deu origem ao polémico relatório sobre as relações de Donald Trump com a Rússia, foi encontrado morto no final de Dezembro, em Moscovo, no banco de trás do carro do qual era proprietário.

 

A causa da morte está a ser investigada, depois de inicialmente se ter dito que não teria sobrevivido a um ataque cardíaco.

 

Apesar de ninguém até agora ter conseguido confirmar qualquer das acusações feitas contra Trump nesse relatório em relação a uma suposta ligação com Putin e festas com prostitutas, e apesar de o ex-espião britânico que escreveu o relatório a pedido de grupos anti-Trump estar desaparecido desde que se tornou público que tinha sido ele o autor, a comunicação social continua a tratar o relatório com credibilidade.