Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chave Mestra

Chave Mestra

Diário de Notícias tenta impedir-nos de saber que podemos ser espiados através dos electrodomésticos e ridiculariza Conselheira de Trump por nos avisar dessa realidade

Diário de Notícias não quer que saibamos que po

 

“Aparelhos de interesse (onde se incluem electrodomésticos) serão localizados, identificados, monitorizados, e remotamente controlados através de tecnologias como a identificação de frequência de rádio, redes de sensores, pequenos servidores incorporados, e captadores de energia — tudo ligado à internet de nova-geração utilizando computação abundante, de baixo custo e alta potência,”, Estas foram as declarações do antigo Director da CIA, David Petraeus, feitas em Março de 2012 durante a conferência sobre a "internet das coisas" (qualquer aparelho com ligação à internet) para a In-Q-Tel, firma de capital de risco da CIA.

 

Petraeus acrescentou “com o último (computação) agora movendo-se em direcção à computação "cloud" (armazenamento em servidores), em muitas áreas cada vez maior super-computação, e, finalmente, movendo-se em direcção à computação quântica (tecnologia de processadores digitais baseada em átomos em vez dos semi-condutores utilizados hoje - silicone e germânio).”

 

No seu artigo de dia 14 de Março "Escutas a Trump escondidas em microondas, sugere conselheira", o Diário de Notícias tenta ridicularizar a Conselheira de do Presidente dos EUA, Kellyanne Conway, por esta ter mencionado numa entrevista que electrodomésticos podem ser utilizados para nos espiar.

 

No mesmo artigo o Diário de Notícias refere a recente fuga de informações de documentos da CIA publicada pela Wikileaks sem sequer referir o seu nome (Vault 7) nem que é a maior fuga de documentos confidenciais de sempre, e que esses documentos comprovam que a CIA está a utilizar os electrodomésticos para espiar todas as pessoas, tal como a tomar controlo de qualquer aparelho electrónico que possua ligação à internet, captadores de energia ou os mais populares sistemas operativos (Windows, etc), incluindo até automóveis e aviões, e está também a utilizar armas informáticas de outros governos para fazer parecer com que ataques contra instituições americanas foram cometidos por outros países.

 

A comunicação social tem-se recusado a noticiar esta fuga de documentos ou a informação reveladora e comprometedora contida neles.

 

Diário de Notícias não quer que saibamos que po