Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chave Mestra

Chave Mestra

Documentos de denunciador da NSA confirmam que Obama e Bush espiaram Trump entre 2004 e 2010 - comunicação social ignora

Documentos de denunciador da NSA confirmam que Oba

 

Os documentos, vindos de Dennis Montgomery, um empregado da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA), são prova que Donald Trump foi alvo de espionagem através da NSA, dentro do programa Dragnet que grava a informação electrónica de milhões de americanos criando uma base de dados como foi exposto por Edward Snowden em 2013.

 

Essa base de dados é depois partilhada com certas polícias federais e estatais. Também a família de Donald Trump e empregados seus foram alvos de espionagem. A notícia foi originalmente publicada ontem por Jerome Corsi da Infowars.

 

O detective Michael Zullo, que forneceu parte dos documentos a Jerome Corsi, incluindo uma lista de mais de um milhão de americanos alvo de espionagem pelo programa Dragnet da NSA, disse também ontem à Infowars que Dennis Montgomery entregou 7 discos-rígidos ao FBI em 2013, e que acredita que a informação contida neles foi o que levou o presidente Trump há dias a acusar Obama de o ter espiado.

 

Os documentos mostram que aliados importantes de Donald Trump também foram espiados, incluindo o jornalista Alex Jones da Infowars e o Sherife Joseph Arpaio, que recebeu os documentos originalmente de Dennis Montgomery da NSA em 2013.

 

Segundo o detective Michael Zullo, Dennis Montgomery tentou anteriormente denunciar ilegalidades dentro da NSA cerca de 12 vezes mas foi sempre impedido.

 

A comunicação social tem feito de tudo para criar a percepção de que Donald Trump mentiu quando há dias acusou Obama de o ter espiado, e está agora a ignorar esta notícia tal como outras anteriores em que, segundo fontes do juiz americano Andrew Napolitano e de um dos ex-chefes da CIA na área do contra-terrorismo Larry Johnson, Obama espiou Donald Trump até há bem pouco tempo através de uma agência de serviços de informação britânica chamada GCHQ.