Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chave Mestra

Chave Mestra

FBI recusa-se a entregar documentos relacionados com investigação sobre Hillary Clinton por considerar não existir interesse público suficiente - comunicação social ignora

FBI recusa-se a entregar documentos relacionados c

 

Em Agosto o FBI escreveu ao advogado Ty Clevenger, que tinha recorrido à Lei de Liberdade de Informação para obter os documentos, dizendo que este não tinha demonstrado "que o interesse do público na libertação dos documentos tem mais peso que os interesses de privacidade pessoal do sujeito (Hillary Clinton)", por isso não iria libertar os documentos.

 

No ano passado o então director do FBI James Comey disse que o FBI tinha concluído que Hillary Clinton tinha cometido crimes ao utilizar um servidor privado para tratar de assuntos governamentais e confidenciais, mas como não o tinha feito intencionalmente não recomendou que fosse processada.

 

Isto apesar de Hillay Clinton ter mentido sob juramento ao Congresso americano que tinha entregue todos os emails do Estado quando se sabe agora que contratou a empresa BleachBit para os apagar, e que mentiu quando disse que apenas utilizou um servidor privado quando utilizou mais que um.

 

Sabe-se agora também que o então director do FBI James Comey considerou Hillary Clinton inocente muito antes de ter concluído a investigação ou sequer entrevistado Hillary Clinton ou outras testemunhas-chave (ás quais deu imunidade antes de as entrevistar e por isso recusaram-se a ser entrevistadas), segundo testemunharam ao Congresso americano o ex-Chefe de Gabinete de James Comey e a agente do FBI Trisha Anderson.

 

O advogado Ty Clevenger disse o seguinte ao Washington Times sobre a recusa do FBI:

 

"Estou estupefacto. Isto é exactamente aquilo que eu esperaria caso a Senhora Clinton tivesse ganho as eleições, mas não ganhou. Parece que a administração de Obama continua a gerir o FBI."

 

"Como pode uma notícia receber cobertura nacional e não ser um assunto de interesse público?"

 

Esta notícia, tal como qualquer outra notícia que pinte uma má imagem de Hillary Clinton ou Barack Obama, está a ser ignorada pela comunicação social portuguesa.