Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chave Mestra

Chave Mestra

Hotel utilizado pelo atirador de Las Vegas financia grupos terroristas anti-Trump/anti-América como ANTIFA e CAIR, provas indicam que Hotel permitiu o atentado terrorista - comunicação social ignora

memo.png

 

O atirador era também um apoiante do grupo terrorista ANTIFA, como fontes dentro da equipa que revistou a sua casa contaram ao jornalista Alex Jones da Infowars.

 

O sindicato dos trabalhadores do Hotel e Casino utilizado pelo atirador, Mandalay Bay, também apoia grupos terroristas anti-Trump/anti-América como a CAIR (Conselho para Relações Islamico-Americanas) e grupos que financiam os terroristas comunistas ANTIFA, segundo fontes da jornalista Laura Loomer dentro do Mandalay Bay lhe contaram e como o memorando que obteve comprova.

 

Poucos minutos antes de o atirador começar a disparar sobre os milhares de pessoas a assistir ao concerto junto ao Mandalay Bay, segundo várias testemunhas na multidão contaram à comunicação social, uma mulher chegou-se à fila da frente dizendo que iriam todos morrer. Esta mulher acabou por ser removida do recinto e poucos minutos depois o atirador começou a disparar.

 

Segundo as normas de funcionamentos dos grandes hotéis de Las Vegas, não é possível que o atirador tivesse mais de uma dezena de armas automáticas no seu quarto durante um dia inteiro sem conhecimento dos serviços camarários do Hotel, a não ser que esses serviços tivessem aberto uma excepção para o quarto do atirador. O atirador esteve hospedado no Mandalay Bay durante 5 dias seguidos, segundo a polícia, até cometer o atentado terrorista.

 

Trabalhadores dentro do Mandalay Bay contaram à jornalista Laura Loomer que o atirador era cliente platina do Mandalay Bay, ou seja, tinha privilégios, e é possível que conhecesse pessoalmente o director do Mandalay Bay.

 

Segundo fontes dentro do Mandalay Bay contaram à jornalista Laura Loomer, o atirador tinha uma suite reservada em seu nome, e o quarto ao lado estava reservado em nome da sua namorada. Mas a polícia diz que esta se encontra nas Filipinas. As Filipinas encontram-se há meses a ser invadidas pelo Estado Islâmico.

 

Laura Loomer fez estas revelações ontem à Infowars.

 

Na sua conta do Twitter, a jornalista Laura Loomer diz ainda que as suas fontes dentro do Mandalay Bay contaram-lhe que todos os registos da estadia do atirador estão a ser eliminados e que o atirador deu entrada no hotel no dia 25 de Setembro, enquanto a polícia diz que o atirador deu entrada no dia 28.

 

A comunicação social está a ignorar toda esta informação.

 

A comunicação social portuguesa até hoje tem-se recusado sequer a referir o nome do grupo terrorista comunista ANTIFA, referindo-se sempre a este grupo como protestantes ou manifestantes. Este grupo comete e incentiva a morte e agressões contra qualquer apoiante de Donald Trump e qualquer polícia. Considera também o "homem branco" responsável por todos os males no mundo.