Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chave Mestra

Chave Mestra

Jornal de Notícias recorre a opiniões desinformadas para retratar denunciador e vítima de pedofilia como pedófilo por ser apoiante de Trump

Sucessor de estratega principal de Donald Trump ap

 

Milo Yiannopoulos expôs 3 pedófilos durante a sua carreira como jornalista, sendo que um deles está em tribunal neste momento. Apesar de Milo ter sido vítima de pedofilia quando tinha 13 anos, e de ter reagido ao abuso de maneira rara, aceitando o abuso talvez devido a síndrome de Estocolmo, Milo nunca disse ser a favor da pedofilia. Mas uma recente montagem criativa de um vídeo com declarações suas, intencionalmente tiradas fora do contexto, faz parecer que Milo é a favor da pedofilia.

 

Nada disto é referido no artigo de hoje do Jornal de Notícias "Sucessor de estratega principal de Donald Trump "aprova" pedofilia". O artigo refere apenas uma declaração em nome de uma organização apoiante do Partido Republicano (CPAC) que retirou o seu convite a Milo para um evento por achar que aprova pedofilia com base no vídeo que propositadamente descontextualiza a sua mensagem.

 

Quando o grupo terrorista ANTIFA, com o intuito de impedir uma palestra de Milo, destruiu propriedade na Universidade de Berkeley e agrediu pessoas por acharem serem apoiantes de Milo e Trump enquanto a polícia testemunhava sem reagir para ter um pretexto para cancelar a palestra, a comunicação social portuguesa não reportou tais acontecimentos.

 

Mas no seu artigo de hoje "Sucessor de estratega principal de Donald Trump "aprova" pedofilia", o Jornal de Notícias refere brevemente o incidente e que a violência foi causada pelos estudantes, quando não sabe isso já que as pessoas do grupo terrorista ANTIFA que causou a violência tinham as caras tapadas. A breve referência ao acontecimento também não menciona que o grupo terrorista ANTIFA agrediu estudantes simplesmente por achar serem apoiantes de Milo e de Trump e que a polícia permitiu tudo isto.

 

O grupo terrorista ANTIFA, tal como muitos grupos e políticos americanos anti-Trump, é financiado pelo multi-milionário George Soros, alguém que a comunicação social se recusa a expôr apesar ser um admitido colaborador Nazi (60 Minutos) e de ter sido responsável através da sua fundação Open Society pelo financiamentos de grupos que criam movimentos de divisão social um pouco por todo o mundo e que já resultaram no derrube de governos, como recentemente na Ucrânia onde Soros admitiu à CNN que os seus grupos tiveram um papel importante, e onde actuou em colaboração com o Departamento de Estado americano que também financiou os movimentos de divisão social com 5 mil milhões de dólares segunda a antiga porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland.

 

Milo e Trump representam uma ameaça para as corporações que através de pessoas como George Soros capturaram os governos do ocidente e são donas da comunicação social. Por essa razão pessoas como Trump e Milo têm de ser retratadas negativamente na comunicação social e quem os retrata positivamente através de meios independentes na internet é censurado no Twitter, Facebook, Google, Youtube, iTunes e Reddit.