Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chave Mestra

Chave Mestra

Líderes do jornalismo mundial admitem que acham que as pessoas não querem saber a verdade e que é por isso que não reportam a verdade

Líderes do jornalismo mundial admitem que acham q

 

"Mas eu diria que a verificação de factos, estando eu a correr o risco de ser um pouco polémica, eu diria que a verificação de factos não tem impacto nas pessoas porque as pessoas não querem saber dos factos, elas querem saber se se trata de uma pessoa carismática, se ele pareceu estúpido quando caiu... será isso (factos) que as pessoas realmente querem?"

 

Isto foi dito pela jornalista Tine Gotzsche da agência de notícias dinamarquesa DR durante a conferência de comunicação social de 16 de Dezembro de 2016, News Xchange. Nenhum dos líderes da comunicação social corporativa presentes no palco, representando a DR, a ABC News, a BBC News, a AFP e outros, discordou com a declaração de Tine Gotzsche.

 

Os factos reportados por uma agência de notícias são aquilo que a maioria de nós acredita ser a parte mais importante de uma notícia, já que sem factos uma notícia é apenas um boato.

 

Nenhuma única entidade é detentora dos factos ou da verdade, cabendo a cada pessoa ir por si mesma verificar as várias fontes de informação disponíveis para conseguir chegar a uma descrição o mais precisa possível dos acontecimentos e decidir por si mesma aquilo em que acredita.

 

Mas este episódio mostra que a comunicação social corporativa admite que nem está interessada em que saibamos os seus factos ou a sua verdade sobre os acontecimentos, desculpando-se com a opinião de que as pessoas não querem saber a verdade, que apenas querem ser entretidas pelas notícias.

 

Como este blog já provou várias vezes a comunicação social tem ido mais longe, mentindo-nos constantemente e propositadamente para criar em nós a ideia que querem que nós tenhamos do mundo.

 

Durante a mesma conferência, a escritora e jornalista turca Ece Temelkuran disse que a ideia de um povo poder votar em quem faz as leis no seu país é tão má como a de criar uma lei que permite um violador casar com a criança que violou. Disse também que alguém que é a favor de ter o poder de eleger quem faz as leis no seu país não quer saber de factos. Nenhum destes comentários recebeu qualquer crítica por parte dos seus colegas presentes no palco.

 

 

1 comentário

Comentar post