Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chave Mestra

Chave Mestra

Lusa e RTP chamam "manifestantes" a grupos terroristas que incentivam e cometem assassinato indiscriminado de polícias, agressões contra qualquer apoiante de Donald trump, e que culpam o "homem branco" por todos os males no mundo

Lusa chama manifestantes a grupos terroristas que

 

Os grupos terroristas ANTIFA e Black Lives Matter há meses que têm cometido actos de violência nos EUA sem que a comunicação social portuguesa tenha a decência de sequer referir os seus nomes quando noticia os acontecimentos em que estão envolvidos.

 

Dos protestos e motins nos EUA aos protestos e motins na Alemanha durante a cimeira do G20. Os terroristas comunistas de cara tapada e vestidos de preto, ANTIFA, agridem indiscriminadamente qualquer apoiante de Donald Trump, destroem propriedade privada, atacam a polícia e consideram o "homem branco" responsável por todos os males no mundo.

 

Os terroristas Black Lives Matter incentivam e cometem o assassínio indiscriminado de polícias nos EUA, consideram o "homem branco" responsável por todos os males no mundo e atacam indiscriminadamente qualquer apoiante de Donald Trump.

 

Ambos os grupos são financiados por George Soros, um multimilionário e admitido colaborador nazi (60 Minutos). George Soros, através dos grupos financiados pela sua Fndação Open Society, tem fomentado divisão social em varios países que em alguns casos resultou no derrube de governos como foi o caso recente na Ucrânia em que George Soros admitiu à CNN que os seus grupos tiveram um papel importante.

 

A Lusa, no seu artigo de dia 14 de Agosto publicado pela RTP, acusa Trump de não se referir especificamente aos grupos de supremacia branca e aos neo-nazis nas suas declarações relativamente aos incidentes violentos em Charlottesville, apesar de ter dito que "nos devemos respeitar a todos. Idealmente devemo-nos amar a todos.".

 

Ao mesmo tempo a Lusa mostra a sua hipocrisia ao não referir especificamente os grupos terroristas ANTIFA e Black Lives Matter que originaram a violência contra os grupos neo-nazis, de supremacia branca, outras pessoas que se manifestavam contra a remoção da estátua do General Robert E. Lee mas que não faziam parte de nenhum grupo, e até jornalistas e repórteres independentes e corporativos.

 

A Lusa diz ainda que "As autoridades locais consideraram o protesto ilegal e o governador da Virginia decidiu declarar o estado de emergência".

 

Mas deixa de fora que a cidade de Charlottesville já tinha anteriormente considerado o protesto ilegal mas um tribunal federal decidiu o contrário, e mesmo assim a cidade voltou a considerar o protesto ilegal antes deste ter sequer começado e premeditadamente forçou os protestantes a deslocarem-se para a área onde se encontravam os grupos terroristas que já tinham iniciado confrontos sem que a polícia tentasse intervir.

 

O Vice-Presidente da Câmara de Charlottesville, Wes Bellamy, é um apoiante de um destes grupos terroristas, Black Lives Matter.

 

Lusa chama manifestantes a grupos terroristas que

Lusa chama manifestantes a grupos terroristas que