Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Chave Mestra

Chave Mestra

Arábia Saudita, um dos maiores financiadores do terrorismo islâmico, tem agora o poder de espiar o mundo tal como os EUA e China

Arábia Saudita, um dos maiores financiadores do t

 

A "bola de cristal", vista em imagens de Donald Trump com o rei saudita durante a recente inauguração do Centro de Anti-Terrorismo saudita, é uma espécie de controlo remoto do programa de espionagem chamado Palantir.

 

Palantir trabalhou durante anos para melhorar a capacidade de vigilância da população mundial através de aparelhos electrónicos (computadores, smart phones, televisores, etc.), e do roubo de informação desses aparelhos por parte da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA) e dos seus parceiros internacionais, e foi criado por espiões americanos. Isto segundo o artigo do Intercept "How Peter Thiel's Palantir helped the NSA spy on the whole world".

 

O programa informático/equipamento Palantir foi vendido ao governo chinês, e agora ao governo saudita, juntamente com o acesso ás bases de dados da NSA e outras entidades governamentais e privadas que contêm informação sobre todos nós roubada dos nossos aparelhos electrónicos, ou entregue por nós próprios a tais entidades ao aceitar-mos os termos de utilização dos aparelhos electrónicos e programas informáticos que a grande maioria de nós nunca lê.

 

As novas instalações sauditas e respectivo equipamento e programa de espionagem valem cerca de 100 mil milhões de dólares, o equivalente a dois terços da riqueza que Portugal produz num ano.

 

A comunicação social corporativa não só não tem noticiado nada disto como se tem recusado a criticar Trump (algo que faz por tudo e por nada e até com notícias inventadas ou distorcidas) pela sua hipocrisia de ter dito que o Irão é um dos maiores financiadores do terrorismo ao mesmo tempo que visitava a Arábia Saudita, outro dos maiores financiadores do terrorismo a nível mundial, mostrando que a comunicação social corporativa apoia Trump e não o critica se este não atacar a Arábia Saudita, ou como foi provado quando os EUA recentemente bombardearam uma base aérea síria, se este bombardear países que não fizeram nada contra os EUA.

 

Arábia Saudita, um dos maiores financiadores do t

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.