Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chave Mestra

Chave Mestra

Principal investigador do caso Seth Rich baleado e atropelado - comunicação social ignora

burkman doherty.jpg

 

Enquanto a comunicação social portuguesa tenta fazer-nos acreditar que foi o governo russo que penetrou os servidores do Partido Democrata americano para ajudar Trump a vencer as presidenciais, continua ao mesmo tempo a tentar esconder dos portugueses que foi Seth Rich, um empregado do Partido Democrata, quem roubou a informação que expôs os podres do Partido Democrata e de Hillary Clinton, e por isso foi assassinado em 2016 durante as presidenciais americanas e poucas semanas antes de a Wikileaks publicar a informação retirada dos servidores aos quais, até hoje, o Partido Democrata se recusa a deixar que o FBI tenha acesso para investigar quem de facto roubou a informação.

 

Entre os podres expostos através da informação roubada encontra-se o facto de que Bernie Sanders, e não Hillary Clinton, foi o verdadeiro vencedor das primárias mas o partido decidiu atribuir a vitória a Hillary Clinton.

 

Seth Rich era um apoiante de Bernie Sanders. Seth Rich foi morto a tiro perto de sua casa num incidente que a polícia e a comunicação social consideraram de um roubo que correu mal, apesar de nenhum dos bens de Seth Rich ter sido roubado.

 

Na sequência, Julian Assange da Wikileaks referiu numa entrevista que as suas fontes sabem que correm sempre um grande perigo e que nunca revela as suas fontes, mas que estava disposto a oferecer uma recompensa de 100 mil dólares a qualquer pessoa que tivesse informação que permitisse desvendar quem assassinou Seth Rich.

 

Segundo William Binney, ex-Director Técnico da NSA (Agência de Segurança Nacional americana), que teve acesso directo aos dados originais roubados dos servidores do Partido Democrata, a informação foi descarregada a uma velocidade muito superior a qualquer ligação de internet, levando William Binney a concluir que a informação não podia ter sido roubada pela internet mas sim por uma pen USB.

 

Toda esta informação está a ser escondida do público português pela comunicação social portuguesa que escolhe em vez acusar a Rússia de estar por detrás do roubo da informação dos servidores do Partido Democrata, e de ter ajudado Trump a vencer as presidenciais sem apresentar qualquer prova disso aos portugueses.

 

E agora que o principal investigador do homicidio de Seth Rich sofreu uma tentativa de homicídio a comunicação social portuguesa volta a ignorar o caso Seth Rich, mostrando um claro interesse em manter os portugueses ignorantes ao mesmo tempo que os tenta pôr contra Donald Trump e o governo Russo de várias maneiras diferentes e sempre sem se basear em provas concretas ou conclusivas, mas sempre criando a falsa percepção de que estas existem.

 

O principal investigador do homicidio de Seth Rich, Jack Burkman, foi baleado duas vezes e atropelado no dia 13 deste mês, mas conseguiu sobreviver. Burkman contou numa entrevista ao Washington Post que foi Kevin Doherty quem o tentou matar e que só não conseguiu porque um segurança veio ao seu auxílio e o agressor pôs-se em fuga. Segundo Burkman, a polícia contou-lhe que o veículo do agressor pertence a Kevin Doherty, um ex-Marine e ex-agente especial do Departamento de Energia que pertenceu à equipa de investigação de Burkman no passado mas que foi despedido por Burkman há quase um ano.

 

Kevin Doherty encontra-se preso sem direito a fiança. A polícia recusa-se a comentar as afirmações de Burkman.

 

Burkman já tinha sido vítima de uma agressão à porta de sua casa em Janeiro, mas decidiu não apresentar queixa. Ele encontra-se no momento a investigar o uso criminoso de Hillary Clinton de servidores privados para tratar de assuntos do Estado e ligações entre Trump e o governo russo. Quando sofreu a tentativa de homicídio estava numa garagem de um hotel para se encontrar com uma suposta fonte dentro do FBI com provas de abuso de poder do recentemente despedido sub-Director do FBI, Andrew McCabe.